Menu

"Em carta, preso diz que Lava Jato cria 'leis próprias' e critica Moro - Folha de São Paulo - 23/03/2017

 

Preso pela Lava Jato desde maio de 2016, o empresário Eduardo Meira escreveu na terça-feira (21) uma carta de próprio punho de dentro do complexo penal em Curitiba com críticas à operação e à atuação do juiz Sergio Moro.
No texto, Meira diz que houve a "criação de leis próprias para justificar prisões e condenações contrárias ao nosso ordenamento jurídico e à nossa jurisprudência".
Preso na 30ª fase da operação - que teve o petista José Dirceu como alvo principal - Meira é acusado de operar propinas em contratos da Petrobras. Ele é sócio da Credencial, empresa que, de acordo com os investigadores, era usada como fachada para intermediar os subornos.
O empresário diz ter sido condenado a oito anos e nove meses de prisão "com base apenas em palavras de delatores". "A lei explicita: 'Somente a palavra de delatores não pode ser o único instrumento de prova'", escreve.
O empresário também critica a condenação recebida por ele no início do mês. "Recentemente me condenaram a oito anos e nove meses, incluindo, pasmem, 'associação criminosa' de duas pessoas (eu e meu sócio); confundindo quadrilha com baião", assinalou.
Meira ataca ainda as delações "ditas espontâneas", de presos "sem perspectiva pelas artimanhas de um juiz, que usando parte da mídia sedenta por justiçamento, comete arbitrariedades".
"Mandela já dizia, ao rejeitar acordo para ser solto quando cumpria a sua prisão: 'Somente homens livres podem negociar, prisioneiros não podem fazer acordos'."
No texto, de três páginas, escrito em letra manuscrita alternando canetas preta e vermelha, o empresário lembra também as críticas do ministro Gilmar Mendes às "alongadas prisões de Curitiba" e o "encontro marcado" delas com o Supremo, o que foi sugerido pelo magistrado no início de fevereiro.
Diz esperar que o "encontro seja breve". "Antes que eu tenha cumprido a pena, à qual não fui definitivamente condenado", finaliza.
CARNE FRACA
Meira menciona ainda a Operação Carne Fraca, deflagrada na última sexta-feira (17) para apurar supostas irregularidades na fiscalização de frigoríficos pelo país.
Diz que a ação atingiu em cheio "um dos maiores setores da economia brasileira e deram prejuízos incalculáveis". Afirma que com a Lava Jato não foi diferente.
"Quebraram um setor de excelência da economia, exportador de serviços e tecnologia, gerador de empregos. Tudo isso, com a aprovação de uma competência processual de forma ilegal."
O empresário assina a carta como "preso ilegal da República de Curitiba".
Procurada, a 13ª vara da Justiça Federal em Curitiba não se manifestou sobre a carta do preso."

 

Leia mais ...
Assinar este feed RSS